Conversa debaixo de água

O peixe que por ser pequeno, em comparação com outros peixes mais avantajados, resolveu encontrar um peixe maior. Não se pode adivinhar qual a direcção que melhor nos serve. Ou se nada com a corrente, ou contra a corrente. O peixe é livre para escolher, o que não é necessariamente uma vantagem. Se escolher bem, para além de encontrar o seu novo companheiro, pode também sentir-se orgulhoso, pois foi sua a escolha. Mas se não for bem sucedido, e acabar à deriva rodeado por quilómetros de água, só se pode culpar a si mesmo. Acabar sozinho emerso em culpa é um destino cruel, até para um peixe.

O peixe, por sorte, encontrou uma baleia. Esta não viajava sozinha, tinha em seu redor, junto ao seu corpo, peixes de todos os tamanhos e variedades. O peixe juntou-se e somou à conta. Agora já não tinha de decidir para onde ir, que rumo levar. Para onde a baleia fosse ele ia. Ele mais o resto do cardume. Deixemos por isso de seguir o peixe, e passemos a acompanhar a baleia. Não porque o peixe passou a ser irrelevante. Longe disto. Há muito ainda por perceber acerca do peixe. Afinal não percebemos nada ainda. Mas por enquanto, é a baleia quem decide o caminho a seguir.

Está tão perdida quanto o peixe. Procura encontrar peixes pequenos. Para os comer. É assim que vai o mundo animal. Os pequenos juntam-se aos grandes para não serem comidos pelos grandes, que comem os pequenos. Tudo abafado pelo silêncio que o imenso oceano impõe aos corpos.

O peixe que já não se lembrava bem porque tinha apanhado aquela boleia, tocou com a barbatana numa sardinha que estava perto, e começaram a falar um com o outro.

Onde é que vamos?

Estamos a caminho de uma nova oportunidade. Não sabes? Queres que te explique? Isto é muito simples. A ideia aqui é: se eu ganhar, ganhamos todos. Para isso temos de remar todos para o mesmo lado. Percebes? Ela é quem lidera.

Só temos de fazer isto? Andar atrás dela?

E convencer mais peixes a fazer o mesmo. Ganhamos todos.

Ganhamos o quê?

Estamos a caminho de uma nova oportunidade. Não sabes? Queres que te explique? Isto e muito simples. A ideia aqui é: se eu ganhar, ganhamos todos. Para isso temos de remar todos para o mesmo lado. Percebes? Ela é quem lidera.

Estas linhas de conversação são as produzidas entre uma sardinha e uma sarda (revelo agora assim, desta maneira inesperada, que tipo de peixe era o nosso peixe). Existem 38 sardinhas e 16 Sardas. Estas linhas foram repetidas 58 mil 976 vezes. Há mais peixes a envolver a baleia. Carapaus, pescada, dourada, atum. Cada peixe produz linhas de conversação diferente. Temos de considerar que a conversa pode ocorrer em grupos de dois, de três, ou mais. Diferentes combinações produzem diferentes resultados. Um sistema complexo, de onde se pode dizer duas coisas: as conversas repetem-se, e não há nada de novo a acontecer nos oceanos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.